30% das gestantes sofrem de ansiedade e depressão

30% das gestantes sofrem de ansiedade e depressão

my-portfolio

O período mais cuidadoso para a família deve ser tratado com toda tranquilidade e atenção que só um processo acolhedor e não-medicamentoso como a psicoterapia pode oferecer, pontua o Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

Estão tentando tirar o controle dos pais sobre seus filhos
Palmada educa? Pais devem conhecer consequências
Afogamento aumentam quando pais mexem no celular

Um estudo realizado na Faculdade de Medicina da USP (e publicado no Journal of Psychosomatic Obstetrics & Gynecology) relata que um terço das gestante atendidas na rede pública sofre com os sintomas da Ansiedade e da Depressão.

O pesquisador Alexande Faisal afirma que a relação entre esses transtornos na gravidez e complicações no parto ou no próprio peso do bebê ao nascer é controverso. “Uma revisão recente de diversos estudos defende a associação, mas ao mesmo tempo diz que é modesta e que depende de contexto socioeconômicos.”

O impacto no comportamento e na saúde

Para o Dr. Sandro Tubini (psicólogo e psicoterapeuta da Clínica de Comportamento e Saúde) as psicopatologias são sinais importantes durante a gestação e que merecem extrema atenção. “É o período mais importante para toda a família e por isso, os sintomas ansiosos e depressivos devem ser tratados com tranquilidade através de um processo não-medicamentoso. Nestes casos a primeira linha de tratamento é a psicoterapia que não apresenta nenhuma contra-indicação, ao contrário, é de grande valia para a grávida que pode expor suas fantasias e expectativas através de um ambiente acolhedor e receptivo”.

O tratamento da Depressão durante a gravidez pode envolver o uso de medicamento, mas de forma criteriosa. O pesquisador afirma que existem trabalhos associando alguns tipos de antidepressivos a malformações feitas, por isso é necessário avaliar muito bem o custo-benefício do tratamento, além de evitar a prescrição no primeiro trimestre de gestação e tentar sempre a menor dose possível. Já para casos leves ou moderados, a primeira opção pode ser a psicoterapia, que gera melhora dos sintomas em 60% da vezes.

Equipe Comportamento e Saúde.

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0