Andadores facilitam traumas e prejudicam equilíbrio dos bebês

Andadores facilitam traumas e prejudicam equilíbrio dos bebês

my-portfolio

Há muito tempo as opiniões se dividem quando o assunto é permitir ou não o andador para os bebês.

Estão tentando tirar o controle dos pais sobre seus filhos
Palmada educa? Pais devem conhecer consequências
Afogamento aumentam quando pais mexem no celular

Andadores, uma escolha de risco

Ao contrário do que pensam muitos pais, os andadores têm muitos riscos e atrasam o desenvolvimento motor do bebê. O equilíbrio também precisa ser treinado e, se a criança está “protegida” por um aparelho, isso não vai ocorrer. Da mesma forma a coordenação motora.

Este equipamento é inútil para o desenvolvimento da marcha de bebês e seu uso pode causar acidentes e lesões com gravidades variáveis, traumatismos cranianos (em diversos níveis) e, em alguns casos, pode até levar ao óbito. A euforia das crianças em se locomover “sozinhas” pode levá-las ao encontro de objetos ou obstáculos pela casa, como degraus, sapatos ou brinquedos que fazem com que o andador vire.

Nesta fase, o corpo é bem frágil e o mais leve tombo pode ter grandes consequências. Ao cair, a cabeça do bebê será a primeira parte do corpo a se chocar contra o chão, podendo causar lesões leves ou graves.

Não é aconselhável o seu uso

Eu sempre desaconselho os pais quanto ao uso dos andadores, pois a criança tem que aprender a andar do modo natural: cair + levantar = conseguir.

Muitos pais ainda preferem o andador pensando que os bebês terão mais independência e liberdade. Na realidade essa é uma situação de comodismo (por parte dos pais) e perigosa para o bebê, que às vezes fica muito tempo sozinho.

Há que se pensar ainda que o andador causa problemas nas articulações, pois o bebê ainda não possui estrutura e domínio da posição vertical.

Eu sempre digo que as crianças fazem rapidamente o que o primata demorou muito a aprender, que é passar da posição de quatro para a posição ereta, nada mais que a evolução natural do ser humano sem apoios no meio do caminho. Essa “evolução natural” pode ser incentivada pelos pais, por sua vez, através de brinquedos adequados e supervisão.

O impacto no comportamento e na saúde

Em alguns países há determinações que proíbem ou limitam o uso do andador. O Canadá, por exemplo, é o único país a proibir a comercialização e utilização dos andadores, desde 2007. No Brasil, um Projeto de Lei (PLS 50/2013) vem sendo discutido para proibir a produção, comercialização, importação, doação e distribuição de andador infantil. No ano passado, a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio rejeitou o Projeto de Lei, mas ele ainda está em discussão no Congresso.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) também é contrária ao uso dos andadores infantis. A SBP divulgou, em 2012, que 850 crianças entre 7 e 15 meses tiveram atendimento médico emergencial por acidentes causados em andadores, sendo que 60% tiveram lesões na cabeça.

Por fim, minha recomendação é para que pais e cuidadores não permitam que seus bebês utilizem esse equipamento. Com certeza, seu filho aprenderá a andar, alguns mais cedo outros mais tardiamente. Mas todos darão seus primeiros passos sozinhos e, o que é mais importante, sem nenhum instrumento que possa colocá-los em risco.

Equipe Comportamento e Saúde (MinhaVida)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0