Coaching de Pais: Namoro infantil

Coaching de Pais: Namoro infantil

my-portfolio

Namoro infantil? Ora, criança não namora! De repente seu filho chega em casa falando em namoro, dizendo que dois coleguinhas estão namorando. A cena é...

Eu e a Ansiedade
Estão tentando tirar o controle dos pais sobre seus filhos
20 razões para você ter um cachorro

Namoro infantil? Ora, criança não namora!

De repente seu filho chega em casa falando em namoro, dizendo que dois coleguinhas estão namorando.

A cena é corriqueira. Cedo ou tarde, os filhos voltam da escola anunciando um namorico com um coleguinha, menino ou menina. A reação dos pais oscila entre o susto e a surpresa. Nunca passa em branco. E nem pode.

Respeito à infância

É preciso respeitar cada fase da vida. Uma criança não sabe o que é um namoro, ela não tem esse discernimento. É natural que meninos e meninas sintam algum tipo de repulsa em relação aos beijos entre adultos – sinal de que ainda não têm maturidade para compreender todas as nuances de um relacionamento com outras pessoas.

Do ponto de visto psicológico e biológico, precisam amadurecer. “Um abraço no amiguinho, um beijo no rosto e demonstrações de afeto que ele recebe dos adultos em casa são seu instrumental afetivo. Beijar os pais na boca, por exemplo, especialmente entre os 4 e 7 anos, não é algo totalmente adequado“, explica a Dra. Vera Zimmermann, psicóloga.

O papel da escola

Professores e escolas também precisam estar atentos. A conversa precisa de uma correção de rota, caso o papo de namoro surja muito cedo. Criança tem de brincar. A brincadeira infantil é um exercício de comportamento; ao pular o aprendizado, a criança apenas reproduz comportamentos, sem compreendê-los. A hora de namorar vai chegar. “Os adultos é que precisam ser reeducados a entender o universo infantil. A criança não discrimina sentimentos de aproximação e amizade. Antecipar essas sensações só causam angústia à criança. É preciso reconduzi-la ao mundo infantil”, afirma Dra. Vera Zimmermann.

Afinal, quando é hora?

Vera acredita que, dos 9 aos 12 anos, com o início da adolescência, a curiosidade deve aumentar. Os pais precisam direcionar a energia das crianças para o conhecimento, para os esportes, os estudos, e aguardar a maturidade completa para a entrada na puberdade. Não é preciso estimulá-la nessa direção. Dar tempo ao tempo é a melhor resposta.

Equipe Comportamento e Saúde (RevistaCrescer)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0