Como dar limites para as crianças de acordo com a idade?

Como dar limites para as crianças de acordo com a idade?

my-portfolio

"Explicar qual é o ponto máximo que a criança pode atingir dentro de um limiar de segurança é uma excelente forma de mostrar carinho pelos filhos", explica o Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

Estão tentando tirar o controle dos pais sobre seus filhos
Ausência do pai afeta a saúde dos filhos mais do que se imaginava
Meu filho não me respeita e agora?

Limites às crianças

Engana-se quem pensa que um bebê não tem limites. A rotina, por si só, já é o primeiro contato que seu filho tem com as regras da casa e portanto com os limites. Mas a maneira como elas são impostas varia conforme a maturidade da criança. Na casa de Karen de Paula, moderadora da página Entre Mamães, no Facebook (que tem mais de 1 milhão de seguidores), o desafio é passar por todas essas fases ao mesmo tempo.

Mãe de Marcos, 10 anos, Leonardo, 3, e Davi, 2 meses, ela precisa ter muita paciência e jogo de cintura para lidar com os anseios (e as comparações) de cada idade. “Na hora de dormir, o Leonardo só vai para a cama se o Marcos for, mas, por ser mais velho, ele acha que pode ficar acordado até mais tarde. Já para guardar os brinquedos, o Marcos tem dificuldade de entender por que tem que ajudar, se foi o Leo que fez a bagunça. E, em semana de prova, temos de exigir que ele estude, mas deixamos o Leo ficar brincando. Ele entende a diferença, mas não gosta”, diz.

“Explicar qual é o ponto máximo que a criança pode atingir para se divertir dentro de um limiar de segurança é uma excelente forma de mostrar carinho pelos filhos”, explica o Dr. Sandro Tubini, psicólogo e psicoterapeuta da Clínica de Comportamento e Saúde.

Os limites variam de acordo com a idade

É natural que a criança menor demande mais atenção, inclusive na hora de dar limites. Porém, é importante ter as mesmas regras para todos em determinados casos – se devem comer à mesa, se podem mexer no computador da mãe, se precisam lavar a cabeça todos os dias, etc.

Entenda em que fase seu filho está e como funciona o limite em cada uma.

Até os 6 meses: ele não tem noção de que existem outras coisas além dele. Mas os horários de banhos e mamadas são suas primeiras regras.

Até os 2 anos: seu filho começa a perceber o mundo e as pessoas ao seu redor, mas ainda não sabe dividir – é a tradicional fase do “é meu!”. É nesse período que o “não”, principalmente relacionado à segurança, passa a fazer parte mais ativamente da vida dele. Porém, a criança nessa idade quase não entende essa palavrinha. Portanto, não ache que isso será suficiente para que ela não ponha mais o dedo na tomada. Se for preciso, retire-a de perto do perigo.

Dos 3 aos 5 anos: é quando tem início os períodos de birra e da aquisição da fala, o que permite mais argumentação – é a fase dos porquês. Por isso, vale usar uma explicação mais elaborada, passando valores, questões morais e conceitos de bem-estar dela e do outro.

Após os 6 anos: a autoridade dos pais começa a enfraquecer, pois passa a ser ainda mais dividida entre professores, pais de amigos, e outros. Nessa idade, começa o contraste das responsabilidades. Portanto, use a proibição somente nos casos em que a argumentação não é suficiente. O elogio continua sendo poderoso, mas ele precisa ser merecido. Isso não significa parabenizar só quando seu filho acertar, mas também quando ele se empenhar para conseguir. Quanto mais velha a criança, mais trabalho dá para colocar limites, mas nunca é tarde!

Por que os pais têm dificuldade em dizer “não”?

De acordo com a Dra. Daniele N. Tubini, psicóloga, os pais sofrem com 2 grandes dificuldades. Veja:

  1. “Alguns pais tem dificuldades de falar NÃO para as próprias vontades, mesmo sabendo que nem sempre é saudável aceitarmos algumas coisas da vida, porém é compreensível que não é fácil frustrar suas próprias vontades”, completa;
  2.  “Outros  pais acreditam que eles são melhores pais por fazerem todas as vontades dos filhos, muito pelo contrário. Isso é um erro. É muito importante saber dizer “não” aos filhos”, conclui a especialista.

Equipe Comportamento e Saúde (RevistaCrescer)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0