Como lidar com o passado de nosso amor?

Como lidar com o passado de nosso amor?

my-portfolio

Nada de querer controlar a vida do outro, o passado passou e não deve ser mais levando em conta para não atrapalhar o presente do casal, norteia o Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

Ser grato ajuda a viver melhor e mais feliz
Dormir bem deixa as pessoas menos medrosas
Você tem vergonha de amar?

Novo amor, nova vida

Quando decidimos embarcar em um novo relacionamento, às vezes, podem acabar aparecendo algumas questões do passado da pessoa amada que desencadeiam brigas e desentendimentos.

Mas será que é possível lidar com passado da pessoa e viver uma nova história ao seu lado? A psicóloga Sandra Monice afirma que  é preciso dar mais valor ao presente para que o passado não influencie negativamente nessa nova fase. “O passado do parceiro pode atrapalhar qualquer relacionamento à medida em que creditamos mais peso ao que ele viveu do que ao que estamos vivendo no presente enquanto um casal”, ressalta.

Valorizando o novo relacionamento

Primeiramente, é preciso que você tenha em mente que começar uma relação buscando mudar o parceiro pode acabar em fracasso. É necessário, também, que  se compreenda que todos temos uma história e somos produto direto das nossas experiências.

Para ter um relacionamento bem sucedido, valorizar a troca, a experiência e o companheirismo são elementos fundamentais. Tentar fazer alguns ajustes e ter paciência para lidar com as mais diversas situações também vão fazer a diferença.

Entenda o que passou

Nem sempre todas as nossas condutas são aceitas por toda a sociedade. Algumas vezes, algo que foi feito no passado poderia ser diferente com as experiências e conhecimentos que temos hoje. “Salvo em caso do passado do parceiro representar risco grave,  dano pessoal ou moral, todos temos pecadilhos em nosso passado que não significam, necessariamente, um problema insolúvel para a relação”, afirma Sandra.

Se existir o desejo de mudança por parte do par, é possível que esses deslizes não se repitam. Mas a psicóloga deixa o alerta: o desejo de mudar acontece principalmente por uma força pessoal e não por desejo apenas do relacionamento.

Perdoando o passado deles

Caso você se entenda como vítima do passado dele, é importante que você consiga perdoá-lo para que o relacionamento consiga caminhar. O perdão pode contribuir para o entendimento e a diminuição de conflitos, desde que ambos estejam dispostos a encarar essa situação. Agora, caso você não tenha ligação direta com o passado dele, os problemas devem ser tratados como um alerta para a nova relação, mas não como um condicionante.

Dicas para ter um bom relacionamento

  1. Saiba até onde você está disposta a entender e aceitar o outro com todos os seus defeitos e qualidades.
  2. Se a relação não caminha tão bem e traz mais prejuízos do que benefícios, cabe a cada um decidir os limites.
  3. Um erro não é necessariamente uma maldição. Porém, ele pode representar indicações de como a pessoa lida com determinadas questões. Serve como alerta, mas nunca como determinante.
  4. Ame-se. Esse é o melhor remédio para impedir que o fato de amar o outro represente sofrimento. Quando nos amamos e nos respeitamos, não estamos dispostos a aceitar situações e pessoas que nos façam mal.
  5. Releve. Se o passado do seu amor não tem envolvimento direto com o seu, não transforme isso em uma cruzada. Viva o “aqui”, “agora” e o “daqui pra frente”.

O impacto no comportamento e na saúde

“Para se ter um relacionamento saudável e se livrar de problemas como este citados é fundamental que cada elemento do casal tenha noção dos seus direitos e deveres. Além disso, lembrar-se que cada um possui o total de 50% de responsabilidade pelo relacionamento, sendo que estes 50% são relacionados à sua parte e não à parte do outro. Portanto, nada de querer controlar a vida do outro, mas se nem isso for possível será necessário o tratamento psicológico para o casal encontrar o ajustamento adequado”, esclarece o Dr. Sandro Tubini (psicólogo e psicoterapeuta da Clínica de Comportamento e Saúde).

Equipe Comportamento e Saúde (IG)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0