Dormir bem deixa as pessoas menos medrosas

Dormir bem deixa as pessoas menos medrosas

my-portfolio

"A verdade é que quando o trauma "se desbota" em nossa mente, o nosso sono se regulariza e volta ao normal, proporcionando noites bem dormidas e maior desempenho durante o dia", explica o Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

Meu filho não me respeita e agora?
Ser grato ajuda a viver melhor e mais feliz
Você tem vergonha de amar?

Sono reparador

Que dormir bem ajuda a emagrecer, deixa a pessoa mais feliz e afasta a depressão a gente já sabia. A novidade agora é que uma boa noite de sono também pode ajudar a superar experiências traumáticas.

Pesquisadores norte-americanos descobriram que além de recarregar as baterias, o sono deixa as pessoas menos medrosas – com menos medo de que as coisas possam dar errado. É um mecanismo de proteção do cérebro.

É o que indica uma nova pesquisa da Universidade Rutgers, nos EUA, publicada no The Journal of Neuroscience.

A experiência revelou que quem dormia mais e melhor mostrou menor atividade em áreas do cérebro como a amígdala, região que controla o medo, além do córtex pré-frontal ventromedial e do hipocampo, responsáveis por fixar as memórias.

Isso significa que os descansados estavam sendo menos afetados pelas experiências traumáticas — ou seja, se tornaram mais resilientes aos choques.

De acordo com os cientistas, a explicação está na presença de uma substância que só o sono saudável é capaz de fazer nosso corpo liberar naturalmente.

Por contar com doses mais altas de norepinefrina, hormônio que regula aspectos como o humor e ansiedade, quem dormia bem conseguia passar ileso pela provocação chocante dos cientistas.

O impacto no comportamento e na saúde

A pesquisa comprova e fica claro que quando não se dorme bem, o nosso sistema psíquico fica em estado em alerta e é por isso que o nível do medo se eleva.

A verdade é que quando o trauma “se desbota” em nossa mente, o nosso sono se regulariza e volta ao normal, proporcionando noites bem dormidas e maior desempenho durante o dia, explica o Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

Equipe Comportamento e Saúde (Sonoticiaboa)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0