No Irã gays devem de mudar de sexo ou fugir da morte

No Irã gays devem de mudar de sexo ou fugir da morte

my-portfolio

Pacientes gays são encaminhados a clérigos para que sua fé seja fortalecida.

Meu filho não me respeita e agora?
Coaching de pais: Chupeta
A felicidade permeia desde a frustração até a resiliência

Sexualidade penalizada

O Irã é um dos poucos países em que atos homossexuais são punidos com a morte. Clérigos, no entanto, aceitam a ideia de que uma pessoa pode estar presa em um corpo do sexo errado. Gays podem ser forçados a se submeter a uma cirurgia de mudança de sexo – e para evitar isso, muitos fogem do país.

Não é uma política oficial do governo iraniano forçar homossexuais (homens ou mulheres) a mudarem de sexo, mas a pressão pode ser intensa.

Em 1980, o fundador da República Islâmica, o aiatolá Khomeini, emitiu uma fatwa – uma legislação islâmica – permitindo a cirurgia de mudança de sexo. Aparentemente, após ser convencido em um encontro com uma mulher que disse estar presa no corpo de um homem.

“Doentes”

Shabnam – nome fictício – é psicóloga em uma clínica estatal do Irã e diz que alguns gays acabam sendo forçados a fazer a cirurgia. Médicos são orientados a dizer a homens e mulheres gays que eles estão “doentes” e precisam de tratamento. Pacientes gays são encaminhados a clérigos para que sua fé seja fortalecida.

As autoridades “não sabem a diferença entre identidade e sexualidade”, explica Shabnam.

Não há informações confiáveis sobre o número de operações de mudança de sexo realizadas no Irã. Khabaronline, uma agência de notícias alinhada com o governo, disse que os números subiram de 170 em 2006 para 370 em 2010. Mas um médico de um hospital iraniano disse à BBC que só ele realiza mais de 200 dessas operações todos os anos

Em outros países, mudar a sexualidade de uma pessoa é um processo complexo, que envolve psicoterapia, tratamento hormonal e, algumas vezes, grandes operações – durando anos.

Ovelha negra

Psicólogos sugeriram uma mudança de sexo para Soheil, um jovem gay iraniano de 21 anos. A família exerceu grande pressão para que ele concordasse com a operação.

“Meu pai veio me visitar em Teerã com dois parentes”, diz ele. “Eles fizeram uma reunião para decidir o que fazer sobre mim. Disseram: ‘Ou você muda seu sexo ou vamos te matar. Não deixaremos que você viva nessa família'”

Soheil foi mantido em casa, na cidade portuária de Bandar Abbas, sob vigilância da família. Um dia antes da operação, conseguiu escapar com a ajuda de amigos. Eles lhe deram um bilhete de avião e o jovem voou para a Turquia.

O país, que não requer vistos de cidadãos iranianos, é muitas vezes o primeiro destino de quem foge. De lá, eles muitas vezes pedem asilo em um terceiro país da Europa ou América do Norte. A espera pode levar anos e, mesmo na Turquia, eles são alvo de preconceito e discriminação, especialmente em pequenas cidades socialmente conservadoras.

Equipe Comportamento e Saúde

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0