A importância do auto-prazer gerado pela masturbação

A importância do auto-prazer gerado pela masturbação

my-portfolio

O auto-prazer na mulher ou masturbação feminina são considerados tabus, mas possuem um aspecto importante para sua sexualidade, esclarece o Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

20 razões para você ter um cachorro
Ranking das escolas particulares de São Bernardo do Campo
Por que nossos filhos estão precisando tanto do divã?

“Se toque” para o assunto

Falar em masturbação ainda é um tabu para algumas mulheres e não é para menos, afinal temas comuns de relacionamentos tais como: separação, divórcio, sexo, brigas são guardados a “sete chaves” por nossa família até os dias de hoje, quanto mais, se o assunto for masturbação.

Já para os homens, de uma forma geral, essa prática é encarada como algo “normal” e sem o menor “pudor”. Mas falar sobre masturbação feminina ainda traz ressentimentos. Isso porque muitas mulheres, por razões que vamos explicar mais à frente, só de ouvirem essa palavrinha se incomodam.

Números na ponta dos dedos

Para se ter uma ideia, 6% das mulheres afirmam que se masturbam com frequência de duas a três vezes por semana. O dado é da pesquisa “Mosaico Brasil”, coordenada pela sexóloga Carmita Abdo (professora da FMUSP e fundadora do ProSex. O estudo foi divulgado em 2009, mas ainda é um dos mais completos sobre a sexualidade dos brasileiros.

Outra pesquisa revelou que 28% das mulheres chegam mais facilmente ao orgasmo quando se masturbam. A pesquisa “Durex Global Survey Sex”, divulgada em 2014 com a chancela de Carmita Abdo, entrevistou 1.004 homens e mulheres brasileiros, entre 18 e 65 anos. “Conhecendo mais o seu corpo, elas acabam tendo mais facilidade, tanto na masturbação quanto na parceria sexual”, analisou a psiquiatra durante o lançamento da pesquisa.

Masturbação é um tabu social

Fatores como a repressão ou educação sexual que algumas mulheres tiveram ou têm, ou mesmo a falta de comunicação dos pais sobre o assunto, estimularam a ausência de conversa sobre masturbação. A sexóloga e personal Sexy, Karina Brum, está acostumada a atender mulheres que não falam, literalmente, sobre masturbação e sexo porque foram criadas de maneira “mais fechada”. Veja:

  • “Atendo, em média, 30 mulheres por dia, e todas relatam que não precisam de sexo ou que não pensam em sexo. Quando pergunto se elas se masturbam e qual a frequência, elas me olham espantadas como se eu tivesse dito alguma palavra obscena, com medo de responder”, conta Karina.
  • Mas a masturbação, livre dos velhos tabus e preconceitos, é uma prática importantíssima que traz benefícios à vida íntima e sexual da mulher. “A masturbação é um tabu por causa da educação sexual inadequada que recebemos desde criança e o desconhecimento da própria sexualidade”, explica a fisioterapeuta e sexóloga Fabiane Dell’ Antônio.
  • Um fator para algumas mães hoje não conversarem sobre masturbação com as filhas, assinala a sexóloga, é que elas mesmas não estão bem resolvidas sexualmente. “E elas não têm conhecimento adequado sobre o assunto. Quando é realizada de forma adequada e com equilíbrio, é muito importante para a sexualidade de homens e mulheres” completa.

Para Regina Racco, colunista de amor e sexo do Tempo de Mulher e professora de Ginástica Íntima, a masturbação feminina é importante demais para a mulher. Isso porque, sem a prática, dificilmente ela alcançará boa compreensão dos seus pontos de prazer e, consequentemente, terá uma boa resposta sexual. Leia sua posição:

  • “E sabemos bem que um grande número de mulheres não tem o hábito de se masturbar, seja por motivos religiosos, vergonha (dela mesma!), efeito de uma educação repressora, entre outros aspectos”, avalia Regina. Ela também é autora dos livros “O livro de Ouro do Pompoarismo”, “A Conquista do Prazer Masculino” e “Sexo para Mestres na Arte da Sedução”.
  • “Gosto de dizer que a masturbação feminina auxilia nos exercícios dos músculos vaginais, o que favorece a produção das secreções (lubrificação). Estas que são tão importantes para manter nossa região íntima segura e protegida. Fora que o hábito ‘masturbatório’ torna a saúde das genitálias mais ‘viva’,” explica a personal sexy Karina Brum.

O impacto no comportamento e na saúde

“Um assunto guardado tão severamente deve ter uma importância muito grande e é claro que têm, afinal este assunto permeia sobre o prazer da vida. Realmente, o prazer pode se tornar um vício e todo vício gera dependência, psíquica ou orgânica. Por isso o assunto é tão velado, afinal não são todas as pessoas que estão preparadas para saber lidar com os limites, especificamente os jovens. No entanto, quando o indivíduo se encontra apto para assumir a sua vida em todos os sentidos não há problemas em se falar abertamente ou praticar o assunto. Se você se encontra neste caso, não se culpe e também não hesite em procurar um tratamento adequado”,esclarece o Dr. Sandro Tubini (psicólogo e psicoterapeuta da Clínica de Comportamento e Saúde).

Equipe Comportamento e Saúde

COMMENTS

WORDPRESS: 1
  • comment-avatar

    Interessante.

  • DISQUS: 0