Por que algumas mulheres só gostam de intelectuais?

Por que algumas mulheres só gostam de intelectuais?

my-portfolio

Que mulher nunca teve (ou fantasiou ter) um relacionamento com um homem extremamente culto, capaz de compreendê-la intimamente?

Você tem vergonha de amar?
Dormir bem deixa as pessoas menos medrosas
Ser grato ajuda a viver melhor e mais feliz

Bela inteligência

A graça parece estar justamente no flerte intelectual e na possibilidade de compartilhar conhecimentos interessantes. Pelo menos é assim que os sapiossexuais – pessoas que têm atração sexual pela inteligência – se sentem.

Para eles, o desejo só se dá por meio da admiração intelectual pelo parceiro. Do contrário, não há beleza ou papo que sejam capazes de esquentar o clima. Mas será que esse é o tipo de conhecimento que mais atrai o sexo feminino?

“A inteligência, há mais de dois milênios, é considerada um atributo masculino. É só olhar para as obras da cultura de até então. Se comparado aos homens, temos pouquíssimas mulheres cientistas. Sempre fomos associadas à emoção e à fertilidade”, explica a psicanalista Marcia Neder.

Homens, razão, Mulheres, emoção

Embora esse cenário esteja se transformando com o passar dos anos, a inteligência masculina ainda é o principal atrativo para as mulheres – ao passo que a inteligência feminina continua sendo intimidadora para muitos homens.

Para o filósofo Luiz Felipe Pondé, elas tendem a preferir os homens inteligentes por sua capacidade de compreensão. “Elas não resistem a homens que parecem entendê-las. Uma das coisas mais lindas na mulher é a sua capacidade de erotizar o intelecto masculino”, escreveu ele.

Uma das provas dessa divisão emocional entre homens e mulheres, de acordo com Marcia Neder, está nesse clássico verso de Vinicius de Moraes: “Me desculpem as feias, mas beleza é fundamental”. No poema Receita de Mulher, Vinicius elenca uma série de características físicas da mulher ideal.

“O verso do poeta é justamente isso, uma postura tolerante à mulher que não é tão culta como o homem. Tudo bem não ser inteligente, porque no fundo ela só precisa ser bonita”, afirma Marcia.

Na era primitiva as mulheres tinham preferência por homens fortes, que fossem capazes de protegê-las dos perigos da vida selvagem. O mesmo senso de proteção ainda guia muitas relações nos dias atuais, mas no que diz respeito à estabilidade social e financeira.

Enciclopédia ambulante

Mas, existe apenas uma maneira de classificar a inteligência, de um modo geral? De acordo com os especialistas entrevistados, não. Como em tudo na vida, sempre vale a regra do bom-senso. Uma mulher se sente atraída por parceiros que tenham uma visão de mundo esclarecida e que possam opinar sobre diversos assuntos.

A inteligência enciclopédica, por outro lado, pode ter um efeito completamente oposto ao desejado. Ninguém consegue conversar com uma pessoa que solta referências complicadas o tempo todo, ignorando temas cotidianos e simples. Em vez de seduzir as mulheres, esse tipo de conhecimento funciona como um repelente intelectual.

“Só o conhecimento dos livros não funciona. Não é porque o homem cita filósofos que pode ser considerado inteligente pelas mulheres. É importante ele tenha metas, objetivos, porque a mulher se preocupa com o futuro”, aponta a psicóloga e consultora Meiry Kamia.

Com essa atração natural por homens inteligentes e poderosos, a beleza é um atributo que fica em segundo plano, principalmente em relações mais duradouras. Se for um caso de uma noite só, é natural que a mulher dê um peso maior para o aspecto físico do homem em questão. Para que a relação evolua, porém, não basta que o pretendente seja só bonito.

“Beleza e atração são coisas distintas. Se o homem for bonito e narcisista, sem um pingo de bom-senso, a mulher perde o interesse. O tesão e atração vão embora se ele não tiver a capacidade de amar e de reparar na parceira”, ressalta Marcia Neder.

O impacto no comportamento e na saúde

Inteligência, poder, sucesso profissional… Embora essas sejam as características mais marcantes de um homem atraente para as mulheres, nenhuma relação sobrevive com tantos excessos, de nenhum dos lados. O melhor é que sempre exista equilíbrio. Ter ambição profissional, por exemplo, é um atrativo. Mas vale a pena sacrificar todos os momentos de lazer e diversão do casal para ser bem-sucedido? Priorizar o trabalho é um desses excessos que estão na lista negativa das mulheres. A arrogância, muitas vezes consequência do sucesso e do poder, também pode ser uma bomba para o relacionamento.

“A paixão dura por volta de 18 a 36 meses. Se ela estiver baseada apenas em estereótipos, o próprio tempo compromete. Se o casal conseguir desenvolver algo mais profundo, é melhor. Os valores mudam, mas a admiração mútua e o respeito devem ser a base da relação”, acredita Jô Furlan, pesquisador na área de neurociência do comportamento.

Equipe Comportamento e Saúde (Delas)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0