Por que nossos filhos estão precisando tanto do divã?

Por que nossos filhos estão precisando tanto do divã?

my-portfolio

"Na família, os filhos fazem parte do grupo que é mais sensível e ao mesmo tempo, menos articulado e com mais baixo nível de defesas", afirma o Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

Meu filho não me respeita e agora?
Ausência do pai afeta a saúde dos filhos mais do que se imaginava
Afogamento aumentam quando pais mexem no celular

Crianças no divã

Há uma tragédia silenciosa que está se desenvolvendo hoje em nossas casas e diz respeito às nossas jóias mais preciosas: nossos filhos. Nossos filhos estão em um estado emocional devastador! Nos últimos 15 anos, os psicólogos e médicos pesquisadores nos deram estatísticas cada vez mais alarmantes sobre um aumento agudo e constante da doença mental da infância que agora está atingindo proporções epidêmicas:
As estatísticas :
  • 1 em cada 5 crianças tem problemas de saúde mental;
  • Um aumento de 43% no TDAH foi observado;
  • Um aumento de 37% na depressão adolescente foi observado;
  • Um aumento de 200% na taxa de suicídio foi observado em crianças de 10 a 14 anos.

O que está acontecendo e o que estamos fazendo de errado?

As crianças de hoje estão sendo estimuladas e superdimensionadas com objetos materiais, mas são privadas dos conceitos básicos de uma infância saudável, tais como:
  • Pais  emocionalmente disponíveis;
  • Limites claramente definidos;
  • Responsabilidades;
  • Nutrição equilibrada e sono adequado;
  • Movimento em geral, mas especialmente ao ar livre;
  • Jogo criativo, interação social, oportunidades de jogo não estruturadas e espaços para o tédio.
Em contraste, nos últimos anos as crianças foram preenchidas com:
  • Pais digitalmente  distraídos;
  • Pais indulgentes e permissivos que deixam que as crianças “governarem o mundo” e sem quem estabeleça as regras;
  • Um sentido de direito, de obter  tudo sem merecê-lo ou ser responsável por obtê-lo;
  • Sono inadequado e nutrição desequilibrada;
  • Um estilo de vida sedentário;
  • Estimulação sem fim, armas tecnológicas, gratificação instantânea e ausência de momentos chatos.

Na família, os filhos fazem parte do grupo que é mais sensível e ao mesmo tempo, menos articulado e com mais baixo nível de defesas”, afirma o Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

O que fazer para melhorar o mundo de nossos  filhos?

Se queremos que nossos filhos sejam indivíduos felizes e saudáveis, temos que acordar e voltar ao básico. Ainda é possível! Muitas famílias vêem melhorias imediatas após semanas de implementar as seguintes recomendações:
  • Defina limites e lembre-se de que você é o capitão do navio. Seus filhos se sentirão mais seguros sabendo que você está no controle do leme;
  • Oferecer às crianças um estilo de vida equilibrado e cheio do que as crianças PRECISAM, não apenas o que QUEREM. Não tenha medo de dizer “não” aos seus filhos se o que eles querem não é o que eles precisam;
  • Fornecer alimentos nutritivos e limitar a comida “lixo”;
  • Passe pelo menos uma hora por dia ao ar livre fazendo atividades como: ciclismo, caminhadas, pesca, observação de aves / insetos;
  • Desfrute de um jantar familiar diário sem smartphones ou tecnologia para distraí-lo;
  • Jogue jogos de tabuleiro como uma família ou se as crianças são muito jovens para os jogos de tabuleiro, deixe-se guiar pelos seus interesses e permita que sejam eles que mandem no jogo;
  • Envolva seus filhos em trabalhos de casa ou tarefas de acordo com sua idade (dobrar a roupa, arrumar brinquedos, dependurar roupas,  colocar a mesa, alimentação do cachorro, etc.);
  • Implementar uma rotina de sono consistente para garantir que seu filho durma o suficiente. Os horários serão ainda mais importantes para crianças em idade escolar;
  • Ensinar responsabilidade e independência. Não os proteja excessivamente contra qualquer frustração ou erro. Errar erros os ajudará a desenvolver a resiliência e a aprender a superar os desafios da vida;
  • Não carregue a mochila dos seus filhos, não lhes leve  a tarefa que esqueceram, não descasque as bananas ou descasque as laranjas se puderem fazê-lo por conta própria (4-5 anos). Em vez de dar-lhes o peixe, ensine-os a pescar;
  • Ensine-os a esperar e atrasar a gratificação;
  • Fornecer oportunidades para o “tédio”, uma vez que o tédio é o momento em que a criatividade desperta. Não se sinta responsável por sempre manter as crianças entretidas;
  • Não use a tecnologia como uma cura para o tédio, ou ofereça-a no primeiro segundo de inatividade;
  • Evite usar tecnologia durante as refeições, em carros, restaurantes, shopping centers. Use esses momentos como oportunidades para socializar e treinar cérebros para saber como funcionar quando no modo: “tédio”;
  • Ajude-os a criar uma “garrafa de tédio” com idéias de atividade para quando estão entediadas;
  • Estar emocionalmente disponível para se conectar com crianças e ensinar-lhes auto-regulação e habilidades sociais;
  • Desligue os telefones à noite quando as crianças têm que ir para a cama para evitar a distração digital;
  • Torne-se um regulador ou treinador emocional de seus filhos. Ensine-os a reconhecer e gerenciar suas próprias frustrações e raiva;
  • Ensine-os a dizer “olá”, a se revezar, a compartilhar sem se esgotar de nada, a agradecer e agradecer, reconhecer o erro e pedir desculpas (não forçar), ser um modelo de todos esses  valores;
  • Conecte-se emocionalmente – sorria, abrace, beije, faça cócegas, leia, dançar, pular, brincar ou rastejar com elas.

O Dr. Sandro Tubini, psicólogo e psicoterapeuta da Clínica de Comportamento e Saúde explica que, “Em resumo, está claro que hoje em dia está ocorrendo uma grande “falta de expressão” do amor, pois percebo que os pais apresentam certo nível de amor, mas nem sempre conseguem expressá-lo. O que, do ponto de vista da formação do filhos é péssimo, pois o amor é importantíssimo, ele reflete na noção de identidade, acalma o coração e dá sensação de pertencimento ao grupo”, completa o especialista.

Em resumo, está claro que hoje em dia está ocorrendo uma grande “falta de expressão” do amor, pois percebo que os pais apresentam certo nível de amor, mas nem sempre conseguem expressá-lo”, Dr. Sandro Tubini, psicólogo.

Equipe Comportamento e Saúde (escrito por Dr. Luis Rojas Marcos)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0