Por que o carboidrato “dá barriga”?

Por que o carboidrato “dá barriga”?

my-portfolio

Com alto índice glicêmico, acaba estocado em forma de gordura, já os integrais contribuem para a boa digestão. Pães, bolos, biscoitos e massas Esse co...

A felicidade permeia desde a frustração até a resiliência
Coaching de Pais: Bullying
Ter um cão faz bem à saúde

Com alto índice glicêmico, acaba estocado em forma de gordura, já os integrais contribuem para a boa digestão.

Pães, bolos, biscoitos e massas

Esse conjunto saboroso que provoca salivação na maioria de nós de inocente não tem nada. Após consumidos, os carboidratos brancos se transformam facilmente em gordura que se aloja principalmente na barriga e de lá custa a sair.

Para entender o motivo pelo qual a região abdominal é privilegiada em armazenar gorduras e ajudar a resolver este problema contamos com a ajuda de uma especialista no assunto, Viviane Pereira, nutricionista do Mundo Verde, Veja:

  • “Os carboidratos e gorduras são os principais fornecedores de energia do organismo e são estocados para que haja energia disponível em momentos em que não se consome alimentos, como durante uma noite de sono.”

O problema é quando o organismo guarda gordura em excesso. O carboidrato branco, ao ser digerido, se transforma em glicose, que cai na corrente sanguínea. Só que o sangue não pode ficar doce. Quem faz a “limpeza” para transformar a glicose em energia é a insulina. Se tem muita glicose, também se tem muita energia. Se ela não for gasta por meio de exercícios físicos é armazenada como gordura no lugar mais fatídico: a barriga.

Impacto no comportamento e na saúde

A saída é a utilização dos carboidratos integrais que são considerados de índice glicêmico baixo. A nutricionista Carolina Arbache, da Natue, explica que as fibras contidas nesses alimentos ajudam a reduzir a quantidade de carboidratos absorvidos, e, além disso, deixam o processo de absorção mais lento. Veja sua posição:

  • “As fibras não conseguem ser digeridas e absorvidas pelo nosso organismo. No entanto, elas formam uma espécie de teia que ‘prende’ parte das moléculas de glicose, fazendo com que esta porção do carboidrato não seja absorvida, e sim, eliminada nas fezes”;
  • “Além disso, as fibras deixam o trânsito intestinal mais lento, o que faz com que o carboidrato seja absorvido lentamente, caindo aos poucos na corrente sanguínea”, completa.

Com isso, o carboidrato integral permite um tempo hábil para a pessoa gastar aquela energia que foi absorvida, sem que seja armazenada como gordura. É melhor, portanto, sempre optar pelos carboidratos integrais, mesmo se alguns deles tiverem calorias iguais ao carboidrato simples (branco).

Equipe Comportamento e Saúde (ig.com.br)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0