Procrastinar afeta a vida pessoal e prejudica a saúde

Procrastinar afeta a vida pessoal e prejudica a saúde

my-portfolio

O comportamento de tardar para agir (ou de se ter atitude) demonstra uma dificuldade que afeta diretamente o ritmo de vida da pessoa, explica do Dr. Sandro Tubini.

Crianças com HIV terão novo remédio com tecnologia inovadora
Você tem vergonha de amar?
Luta contra bullying nas escolas vira lei

Para tudo existe uma hora certa, mas para os procrastinadores nada é urgente. Isso é uma atitude responsável?

Auto estima x Procrastinar

Procrastinar é a “arte” de adiar. O hábito de deixar as coisas para depois tem sido estudado por pesquisadores há séculos. As pesquisas sobre o tema mostraram que a prática da procrastinação pode estar diretamente ligada aos déficits de atenção, mas também pode ocasionar malefícios mais graves à saúde.

A procrastinação é um problema crônico para até 20% da população mundial. Esta rotina do adiamento resulta em doenças físicas e mentais de longo e curto prazo, além de deixar as pessoas menos capazes de alcançar metas de trabalho e de vida.

Alta impulsividade e baixo autocontrole

Diversos estudos demonstram que este vício é mais comum e grave em pessoas com alta impulsividade e baixo autocontrole. Entre as descobertas está o fato de que procrastinadores também têm uma tendência maior a desenvolver problemas de atenção.

Um estudo realizado em 2000, conduzido pelo professor Joseph Ferrari, da Universidade DePaul, em Chicago, mostrou que o adiamento dos afazeres costuma ser feito, principalmente, quando está relacionado a assuntos importantes. Durante o experimento, o pesquisador colocou os voluntários diante de testes que teriam consequências e, mesmo assim, a tarefa era procrastinada. Este resultado demonstrou um comportamento autodestrutivo em relação às obrigações e a si mesmo.

O impacto no comportamento e na saúde

Deixar para depois é uma atitude que tende a gerar malefícios à vida profissional e educacional. “Os procrastinadores acabam sofrendo mais e executando as tarefas piores do que outras pessoas”, explicou a Dr. Diane Tice, da Universidade Estadual da Flórida.

Os estudos também relacionaram o hábito à saúde física. Uma pesquisa realizada no departamento de psicologia da Universidade de Carleton, no Canadá, identificou que os procrastinadores costumam deixar para depois até mesmo os cuidados com a própria saúde. Esse fato pode atrasar tratamentos, aumentar o estresse e reduzir a sensação de bem-estar. Para os pesquisadores, as pessoas que adiam coisas importantes em outras partes da vida, também tendem a fazê-lo quando se trata de saúde.

Além disso, “O comportamento de tardar para agir (ou de se ter atitude) demonstra uma dificuldade que afeta diretamente o ritmo de vida da pessoa, juntamente com suas responsabilidades e suas conquistas. É típico de pessoas que possuem lacunas em sua autoestima e o que é pior, este hábito “de se tardar” vai destruir cada vez mais as capacidades e confianças deste indivíduo. É um circulo vicioso e perigoso”, explica o Dr. Sandro Tubini (psicólogo e psicoterapeuta da Clínica de Comportamento e Saúde).

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0