ONU promete combater a resistência antimicrobiana

ONU promete combater a resistência antimicrobiana

my-portfolio

A resistência antimicrobiana representa uma ameaça fundamental à saúde humana, ao desenvolvimento e à segurança, explica, Margaret Chan.

Crianças com HIV terão novo remédio com tecnologia inovadora
Afogamento aumentam quando pais mexem no celular
Luta contra bullying nas escolas vira lei

Os países membros das Nações Unidas se comprometeram pela primeira vez nesta quarta-feira (21) a tomar medidas globais para enfrentar a ameaça de organismos resistentes a medicamentos. A proposta para combater a proliferação de bactérias, vírus e parasitas desse tipo abrange uma regulamentação mais rígida para o uso de drogas contra patógenos e estudos na área de medicina antimicrobiana.

A resistência antimicrobiana representa uma ameaça fundamental à saúde humana, ao desenvolvimento e à segurança” Margaret Chan, diretora-geral da OMS.

O compromisso foi firmado durante a Assembleia Geral da ONU depois de anos de alertas de autoridades de saúde global sobre o aumento de infecções resistentes a medicamentos, que ameaçam acabar com todos os antibióticos e antifúgicos, deixando o mundo mais vulnerável a esses organismos.

“A resistência antimicrobiana representa uma ameaça fundamental à saúde humana, ao desenvolvimento e à segurança”, a diretora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Margaret Chan.

Estima-se que 700 mil pessoas morram anualmente devido ao fenômeno conhecido como resistência antimicrobiana. Bactérias, vírus, parasitas e fungos podem se tornar residentes a medicamentos e defensivos agrícolas, devido ao uso excessivo e incorreto das drogas que deveriam combatê-los.
saiba mais

Cientistas de Harvard reproduzem resistência bacteriana em laboratório

Dessa maneira, o combate a infecções comuns como pneumonia e gonorreia, a infecções pós-operatórias, tuberculose e ao vírus HIV está se tornando cada vez mais difícil.

“Se falharmos na resposta rápida e abrangente a esse problema, a resistência antimicrobiana tornará o fornecimento de uma cobertura de saúde universal de alta qualidade mais difícil e minará a produção sustentável de alimentos”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Na declaração adotada, governos se comprometem a desenvolver planos nacionais de ação para o combate a esse problema, tendo com base o plano global OMS desenvolvido em 2015. Além disso, os países irão melhorar o monitoramento e regulamentação do uso medicamentos antimicróbicos nos setores de saúde e agricultura.

Equipe Comportamento e Saúde (G1)

COMMENTS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0